NOTA DE REPÚDIO

A Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) - Seção Local Vitória-ES, entidade que representa os geógrafos, professores e estudantes de geografia se manifesta publicamente quanto a implementação do programa “EscoLAR” da Secretaria Estadual de Educação do Espírito Santo (Sedu).

As aulas presenciais do sistema estadual de educação do Espírito Santo estão suspensas desde o dia 17 de março devido à pandemia do COVID-19. Como forma de mitigar os impactos desse período de suspensão a Secretaria Estadual de Educação (Sedu) lançou no dia 14 de Abril o programa “EscoLAR” que se configura como um programa de atividades pedagógicas não presenciais (APNP). De acordo com a Sedu: “As APNPs consistem em atividades escolares vinculadas ao desenvolvimento de habilidades/conteúdos previstos nos documentos curriculares propostos pela Sedu, previamente planejadas e elaboradas pelo professor, acompanhadas e coordenadas pela equipe pedagógica da escola, para serem ofertadas ao estudante fora do ambiente escolar”. No entanto, grande parte da categoria dos professores, profissionais da rede estadual e pesquisadores em educação apontam fragilidades, incongruências e armadilhas no programa “EscoLAR”.

O momento que vivemos é de fato ímpar e sem precedentes para toda a sociedade, porém precisamos ter cautela com as “soluções”, mesmo que provisórias, que se apresentam para a educação neste momento. Para compensar a ausência das aulas presenciais, ocorrida por causa das medidas de isolamento social, a solução encontrada por muitas escolas foi o chamado “ensino remoto de emergência”. Uma das medidas adotadas pela Secretaria da Educação (Sedu) consiste na transmissão dos conteúdos através da TV aberta e na utilização da plataforma Google Sala de Aula, por meio do aplicativo “EscoLAR”.  No entanto cabe ressaltar que é preciso considerar as diferenças socioculturais e econômicas dos mais de 200 mil alunos da rede estadual e que muitos não dispõem de livre acesso a dispositivos tecnológicos para acessarem os materiais pedagógicos à distância.

No que diz respeito à disciplina de Geografia, o material disponibilizado pela Secretaria de Educação do Estado do Espírito Santo (Sedu) carece de revisões pois apresenta erros conceituais e contradições na compreensão do conhecimento geográfico a ser trabalhado em sala de aula. Identificou-se no programa, diversos materiais de aulas em que os conteúdos discutidos são completamente desconexos com a realidade capixaba, o que pode dificultar o aprendizado e criar narrativas errôneas sobre o conhecimento geográfico. As vídeo aulas disponibilizadas não correspondem às características regionais da qual a Lei 9394/96 preconiza, pois tratam exclusivamente sobre a região Norte do Brasil, não atendendo às especificidades da sociedade capixaba.

Desta forma cobramos da Secretaria de Educação do Estado do Espírito Santo (Sedu) a revisão URGENTE do programa de atividades pedagógicas não presenciais denominado “EscoLAR”. Informamos ainda, que vamos acompanhar, junto com as demais entidades que cobram de igual modo, a revisão do programa e as tomadas de decisões que incidirão na educação das crianças, dos adolescentes, jovens e adultos do Estado do Espírito Santo. 

 

Associação de Geógrafos Brasileiro (AGB) Seção Local Vitória-ES

Vitória, 20 de abril de 2020

 

 

Notícias